quinta-feira, 22 de julho de 2010

IX. Sofrimento

Se há algo que faz com que as pessoas evoluam esse algo é o sofrimento. O sofrimento age como um processo transformador. Faço uma analogia com o vinho. Até aqui, descrevi a formação da uva. O frescor da natureza, a doçura do caráter, a riqueza da cultura, a pujança da beleza, o buquet da independência espiritual... A uva está no ponto para o próximo estágio: a metamorfose! Nesse ponto Nilly está pronta para se transformar em uma fada.

Não é um processo indolor. Muita coisa pode dar errado nessa transformação. Pra começar, o vinho pode se transformar em vinagre. Ou mesmo em vinho de baixa qualidade. Há que se aguardar o período certo de maturação, o período de recolhimento...

Vou indicar um Blog / Livro que mostra isso com muito mais eloqüência que eu poderia imaginar:

Nas horas tristes, filho, não diga nada. Coloque um silêncio bem alto no aparelho de som. E comece a escrever bem baixinho. (Chorar até que pode, desde que não lhe embace a vista). Só não pare: tristeza é pra escrever. Tome posse dessa dor que é toda sua. Até que passe e venha outra mais bonita. (GUERRA, Cristiana. 2009)[1]

É uma história linda, triste, profundamente tocante... Confesso que chorei várias vezes ao ler o livro.

Ana, lembra do nosso índice Multivida, do capítulo VI?

Claro!

Anote aí: chorar ao ler também tem peso 2, concorda?

Apoiado! Mas... Posso fazer uma pergunta?

Claro!

É sobre essa história de sofrimento. Nunca tive um grande sofrimento na vida... Não como o da Cris Guerra, por exemplo!

Não se preocupe, minha fadinha! Não importa se você é pobre, rica, velha, nova, bonita ou feia... A vida vai te dar todo sofrimento que você precisar...


[1] Blog para Francisco. Para aprender a melancolia. Disponível em: <http://parafrancisco.blogspot.com/2009/06/adoro-palavra-melancolia.html>. Acesso realizado em 20 de julho de 2010.

2 comentários:

Gabi disse...

Realmente amadurecemos ou podemos dizer que crescemos mais na dor que na alegria. Se fosse simplesmente aprender com a vivência de outras pessoas não bastaria tantas lágrimas derramadas.

Aline disse...

Ah... mas vamos lembrar Drummond: "A dor é inevitável, o sofrimento é opcional"!